728x90 (1)

AGRONEGÓCIO

Empaer orienta produtor de leite aproveitar período de chuva no plantio do capiaçu

Em 2021, muitos produtores tiveram dificuldade devido à seca prolongada e o aumento no custo para alimentar a criação

Publicados

em

O produtor de leite de Lambari D´Oeste (a 339 km de Cuiabá), Valdemir Merlin Jovano, encerra nesta semana o plantio das mudas de capiaçu que recebeu da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) em parceria com o Consórcio Complexo Nascentes do Pantanal. As mudas foram produzidas nos viveiros de Cáceres e São José dos Quatro Marcos para atender produtores de 14 municípios da região.

Valdemir assim como outros agricultores, quer aproveitar o período de chuva para garantir um maior rendimento da silagem sem impactar na qualidade do leite. “O ano passado tive muita dificuldade no período da seca que foi prolongada. Tenho 35 vacas que precisam estar bem alimentadas e dispostas, caso contrário, à produção cai e compromete o trabalho do ano todo”.

De acordo com o produtor, com a orientação da equipe da Empaer, o capiaçu surgiu como uma opção resistente, de maior rendimento e que permite a produção de leite a custos menores, aumentando a sua margem de lucro. “Tenho um hectare de área plantada e pretendo aumentar um pouco mais, além de investir e novas criações”.

Leia Também:  Técnicos da Empaer participam de curso sobre produção de algodão regenerativo em sistemas agroflorestais

O técnico da Empaer, Tarcísio Wunsch Júnior, explica que há três meses a equipe já vem realizando a entrega das mudas aos  produtores da região que estão concluindo o plantio. Ele frisa que o produtor Valdemir precisou conscientizar-se estar gerindo um negócio, sendo estimulado da necessidade de investir para buscar lucro e, com isso, aumentar sua renda.

De acordo com Tarcísio, o produtor precisou entender a vantagem de ter uma capineira para fazer silagem, depois de três anos lutando com a seca prolongada e ver suas vacas produzindo pouco. “Na região, o exemplo do senhor Valdemir é o mesmo de muitos e estamos conseguindo mudar a realidade de todos que começaram a investir e acreditar na assistência técnica”.

O acompanhamento consiste na análise do solo, caso haja necessidade de reposição de calcário ou adubo. Logo em seguida, o preparo com os sulcos. “Foram três anos de vacas magras. A procura pelo capiaçu e pela assistência da Empaer nesse período aumentou consideravelmente. Estamos conseguindo acompanhar alguns produtores que acreditam na implantação de tecnologias que já foram testadas e validadas”, conclui.

Leia Também:  Famílias relatam dia a dia no campo e a importância do acesso às máquinas do Governo de Mato Grosso

Equipe da Empaer durante assistência técnica – Foto: Empaer

Da Redação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

AGRONEGÓCIO

ÁREA DESTINADA À SOJA CRESCE E APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES SERÁ MENOR EM MT

Publicados

em

Pesquisa realizada pela Fundação MT, em parceria com a Agrinvest, aponta que a safra 2022/23 de soja, em Mato Grosso, com nova área recorde, mesmo sob um cenário de ‘economia’ na utilização de fertilizantes. A pesquisa ouviu cerca de 100 produtores de grãos do Estado.

A pesquisa mostrou que 72% dos agricultores pretendem aumentar a área plantada em setembro, com 40% dos entrevistados dizendo que expandiriam os plantios acima de 5%, e 32% em até 5%, segundo a Agrinvest.

Em relação ao uso de fertilizantes, 64% disseram que reduziriam as aplicações em até 20%, enquanto 15% disseram que reduziriam o uso de adubos acima desse nível.

“Tem uma grande discussão se o rendimento da soja será afetado pela redução do uso dos fertilizantes”, disse Jeferson Souza, analista da Agrinvest. “O Brasil é grande e tem áreas muito heterogêneas e por isso a análise é caso a caso”

A safra que tem início em setembro, quando produtores mato-grossenses retomam os trabalhos no campo, terá características próprias e deverá de fato ser marcada por uma redução na utilização dos fertilizantes. O preço dos insumos é o grande entrave à utilização, bem como a incertezas em relação às entregas, visto que há uma grande demanda internacional e seguem os entraves em decorrência da guerra entre Rússia e Ucrânia. “Os preços dos nutrientes agrícolas subiram como resultado de sanções ao grande fornecedor Belarus, restrições às exportações chinesas de fertilizantes e sanções à Rússia, grande fornecedora do Brasil”.

Leia Também:  Nova frente fria deve trazer chuva para Cuiabá neste final de semana

Leia também: Soja 2021/22 consolida recorde de área, produção e produtividade em MT

Conforme dados da Agrinvest e da Reuters, a tendência de ampliação de área cultivada com a soja se confirma entre os produtores brasileiros. A pesquisa aponta para incremento de área em 1,5% em todo o país. O Brasil plantou 40,8 milhões de hectares com soja no ciclo 2021/22, uma expansão de 4,1%, segundo dados do governo.

Ainda sobre a pesquisa, ela revela que 72% dos agricultores pretendem aumentar a área plantada em setembro, com 40% dos entrevistados dizendo que expandiriam os plantios acima de 5%, e 32% em até 5%, segundo a Agrinvest.

Em relação ao uso de fertilizantes, 64% disseram que reduziriam as aplicações em até 20%, enquanto 15% disseram que reduziriam o uso de adubos acima desse nível.

Leia mais: Para especialistas, ambiente de preços não deve se regularizar tão cedo no campo

Da Redação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA