728x90 (1)

BRASIL

Ministério diz que setor de energia trabalha para evitar racionamento

País vive pior crise hídrica em 90 anos

Publicados

em

O Ministério de Minas e Energia (MME) afirmou que as instituições do setor energético têm trabalhado “incessantemente” para garantir que não haja risco de racionamento de energia no país, por conta da crise hidrológica.

“As instituições do setor energético continuam trabalhando, incessantemente, para o provimento da segurança energética no ano que se deflagrou a pior hidrologia de toda a série histórica de 91 anos”, disse a pasta, em nota.

O problema também tem sido discutido na sala de situação do governo federal, criada para tratar da questão, com a participação de diversos órgãos da administração pública.

“Assim, com a atuação tempestiva de todos os envolvidos e considerando o quanto o setor elétrico brasileiro evoluiu, é que o governo federal, inclusive em coordenação com os entes federativos, vem explorando todas as medidas ao seu alcance que nos permitirão passar o período seco de 2021 sem impor aos brasileiros um programa de racionamento de energia elétrica”, afirmou a pasta.

A nota foi publicada ontem (12), após matéria do jornal O Estado de São Paulo informando que o governo prepara uma medida provisória (MP) que abre a possibilidade de adoção de um programa de racionamento de energia no Brasil.

Leia Também:  Rompimento em tubulação de obra inaugurada por Bolsonaro evacua 2 mil no Ceará

De acordo com a reportagem, a medida criaria um “programa de racionalização compulsória do consumo de energia elétrica, com um comitê para adotar medidas de redução no consumo de energia, com poderes, inclusive, para determinar a diminuição da vazão de água nos reservatórios das principais bacias hidrelétricas do país”.

Ainda segundo o jornal, o programa prevê a possibilidade de adoção prioritária da termoeletricidade com o aumento dos custos pagos pelo consumidor, por meio de taxas na conta de luz.

Na nota, o ministério não trata da possibilidade de edição de uma MP. A pasta informa ainda que as “medidas tempestivas ocorrem em razão da redução no volume de chuvas que tem afetado a geração de energia no Brasil”. Cerca de 65% da produção de eletricidade do parque gerador brasileiro vêm das hidrelétricas.

Ainda de acordo com a pasta, apesar de a energia hidrelétrica ser a principal matriz no país, desde 2001, a participação dessa fonte tem cedido espaço a outras como a eólica, termoelétrica e solar.

“Numa estratégia intencional de diversificação dessa matriz, buscando reduzir a dependência da hidroeletricidade, uma das principais vulnerabilidades identificadas no racionamento observado em 2001”, afirmou o ministério.

Leia Também:  Parecidos com humanos, robôs também armazenam energia em 'camada de gordura'

A nota destaca ainda que, ao lado da diversificação da matriz energética, a atuação coordenada de atores como a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) e a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) visa garantir a segurança no fornecimento de energia elétrica à população.

“Neste sentido, o trabalho incessante que as instituições setoriais desenvolvem, atualmente, no presente contexto de hidrologia crítica, para a adoção de medidas visando agilizar à implementação das ações que garantam o fornecimento normal de energia elétrica para toda população, se assenta sobre essa base institucional bastante competente e consistente, que tem zelado para que não falte eletricidade para os brasileiros”, disse o MME.

Edição: Lílian Beraldo

Agência Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Pfizer deve entregar mais de 1 mi de doses por dia de vacina até agosto

De 20 de julho até 1º de agosto, 13 voos vindos dos EUA chegarão ao país com os imunizantes

Publicados

em

A Pfizer anunciou que deve começar a intensificar a entrega de doses de sua vacina contra a Covid-19 a partir de terça-feira (20). De 20 de julho até 1º de agosto, 13 voos vindos dos EUA chegarão ao país com um total de 13.265.460 de doses do imunizante da empresa.

A média de entregas diárias deve superar 1 milhão de doses.

O primeiro lote da nova entrega está previsto já para terça, com desembarque no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), que receberá também as remessas seguintes.

Em nota, a empresa aponta que para agosto e setembro estão previstas 70 milhões de doses, parte de um dos acordos da farmacêutica com o governo brasileiro. Outras 100 milhões de doses também são esperadas de outubro a dezembro.

Até agora, a Pfizer entregou 14,5 milhões de doses do imunizante contra a Covid. O primeiro lote, com 1 milhão de doses, chegou em abril. Junho, até agora, foi o mês com mais entregas, um total de 11 milhões de doses.

Leia Também:  Rompimento em tubulação de obra inaugurada por Bolsonaro evacua 2 mil no Ceará

A vacina da Pfizer (ComiRNAty), entre as aprovadas no Brasil, é a que exige os cuidados mais rígidos em relação à conservação. Ela precisa ser guardada entre -60°C e -90°C para manter sua condição de uso.

Para evitar problemas no transporte, a empresa produziu embalagens para manter, por até 30 dias (com trocas periódicas do gelo seco), a vacina na temperatura adequada. Na caixa, há ainda um monitor de temperatura acompanhado via satélite, segundo a empresa.

“As doses somente são distribuídas para os pontos de vacinação se os relatórios emitidos após a entrega demonstrarem que não houve qualquer excursão de temperatura relevante durante todo o trajeto”, afirma a Pfizer, em nota.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA