728x90 (1)

BRASIL

Variante indiana da Covid é identificada em passageiro que desembarcou em Garulhos

Publicados

em

O Instituto Adolfo Lutz, da Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo, identificou um caso confirmado da variante indiana do coronavírus em um passageiro brasileiro que desembarcou no Aeroporto Internacional de Guarulhos oriundo de um voo da Índia e seguiu para o Rio de Janeiro, onde mora na cidade de Campos dos Goytacazes.

A variante indiana é considerada mais transmissível do que a forma tradicional do vírus e tem sido apontada como responsável por uma explosão de casos de Covid-19 na Índia recentemente, que transformou o país asiático no novo epicentro da pandemia.

De acordo com a Secretaria de Saúde de São Paulo, o passageiro que teve a variante indiana diagnosticada, de 32 anos, foi identificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que é responsável pelo monitoramento nos aeroportos.

No entanto, ele embarcou em um voo doméstico para o Estado do Rio de Janeiro após desembarcar em Garulhos.

“O órgão federal informou à pasta estadual sobre o caso positivo quando o passageiro já havia embarcado em voo doméstico para o Rio de Janeiro. A amostra positiva foi enviada ao Lutz e o sequenciamento finalizado nesta quarta-feira”, disse o órgão em nota.

Leia Também:  Ceará suspende aulas presenciais para conter covid-19 | Agência Brasil

Segundo a secretaria, ainda não há registros de um caso autóctone desta linhagem no Estado de São Paulo.

A secretaria acrescentou que iniciou as medidas de vigilância epidemiológicas necessárias junto aos municípios imediatamente após ser comunicada pela Anvisa.

“Foi solicitada a lista completa dos passageiros do voo, além dos nomes de todos os funcionários do aeroporto, laboratório e dos contatos do passageiro para isolamento e monitoramento. As equipes de vigilância do Rio de Janeiro também foram imediatamente notificadas para o acompanhamento do caso”, afirmou.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BRASIL

Pfizer deve entregar mais de 1 mi de doses por dia de vacina até agosto

De 20 de julho até 1º de agosto, 13 voos vindos dos EUA chegarão ao país com os imunizantes

Publicados

em

A Pfizer anunciou que deve começar a intensificar a entrega de doses de sua vacina contra a Covid-19 a partir de terça-feira (20). De 20 de julho até 1º de agosto, 13 voos vindos dos EUA chegarão ao país com um total de 13.265.460 de doses do imunizante da empresa.

A média de entregas diárias deve superar 1 milhão de doses.

O primeiro lote da nova entrega está previsto já para terça, com desembarque no aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), que receberá também as remessas seguintes.

Em nota, a empresa aponta que para agosto e setembro estão previstas 70 milhões de doses, parte de um dos acordos da farmacêutica com o governo brasileiro. Outras 100 milhões de doses também são esperadas de outubro a dezembro.

Até agora, a Pfizer entregou 14,5 milhões de doses do imunizante contra a Covid. O primeiro lote, com 1 milhão de doses, chegou em abril. Junho, até agora, foi o mês com mais entregas, um total de 11 milhões de doses.

Leia Também:  Ceará suspende aulas presenciais para conter covid-19 | Agência Brasil

A vacina da Pfizer (ComiRNAty), entre as aprovadas no Brasil, é a que exige os cuidados mais rígidos em relação à conservação. Ela precisa ser guardada entre -60°C e -90°C para manter sua condição de uso.

Para evitar problemas no transporte, a empresa produziu embalagens para manter, por até 30 dias (com trocas periódicas do gelo seco), a vacina na temperatura adequada. Na caixa, há ainda um monitor de temperatura acompanhado via satélite, segundo a empresa.

“As doses somente são distribuídas para os pontos de vacinação se os relatórios emitidos após a entrega demonstrarem que não houve qualquer excursão de temperatura relevante durante todo o trajeto”, afirma a Pfizer, em nota.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA