CARROS E MOTOS

Ford Ranger de madeira impressiona pelas funcionalidades

Publicados

em


source
Ford Ranger
Reprodução

Ford Ranger Raptor vem com uma riqueza de detalhes impressionantes, o que inclui até suspensão e sistema de direção funcional

A Ford Ranger Raptor é uma das picapes esportivas mais cobiçadas hoje em dia, mas acabou sendo vendida apenas em alguns países, cuja lista não inclui Brasil, EUA e outros. Mas há quem tenha dado um jeito de ter uma em casa, nem que seja em miniatura, como o artesão que resolver postar um vídeo no You Tube que mostra como ele conseguiu fazer uma réplica perfeita, de madeira.

As imagens da Ford Ranger Raptor de madeira mostram em detalhes como foi todo o processo de fabricação da picape. A habilidade e a técnica são pontos que impressionam, assim como o resultado final, com pontos que vão desde a grade dianteira, até a suspensão funcional (até com pequenas molas) e pneus com ranhuras entre os itens que mais chamam atenção.

Leia Também:  Deputado cobra a substituição de pontes de madeira em 22 municípios

Com as ferramentas adequadas, também foram feitas as portas e o capô, com um nível de perfeição raro de se ver. Além da suspensão, a direção também funciona, girando as rodas de um lado para o outro. A tampa da caçamba abaixa, como no modelo em escala real, sustentada por pequenas correntes. Até os estepes não foram esquecidos.

Como é a Ranger Raptor de verdade

A Ford Ranger Raptor de verdade vem com motor 2.0, turbodiesel, sobrealimentado por duas turbinas, preparado pela Ford Performance , que rende 213 cv e brutais 51 kgfm de torque, que funciona com câmbio automático, de 10 marchas.

Entre outras mudanças, as dimensões da Ford Ranger Raptor também são diferentes das demais versões. São 5,40 metros de comprimento (+4 cm), 2,18 de largura (+17cm) e 1,87 m de altura (+6cm) e 28,3 cm de distância do solo (+5,1 cm). Além disso, o sistema de tração também é novo, o que inclui o “Baja Mode”, próprio para direção off-road. Dê uma olhada no vídeo acima.

Leia Também:  De virada, Mirassol-SP supera Aparecidense-GO pelas quartas da Sé
Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CARROS E MOTOS

Como é andar no ônibus Mercedes-Benz que acelera e freia sozinho

Publicados

em

Por


source
Mercedes-Benz O 500 RSD 2443 6x2
Evandro Enoshita

Mercedes-Benz O 500 RSD 2443 6×2 vem com itens antes disponíveis apenas os carros leves de passeio

Não faz muito tempo, sistemas eletrônicos de assistência ao motorista como o ACC (controlador automático de velocidade adaptativo), monitor de presença em faixa e frenagem autônoma eram equipamentos até então vistos apenas em carros de passeio na faixa acima de R$ 200 mil. Mas essas tecnologias passaram a ficar mais comuns e atualmente são vistas também em veículos comerciais.

Esse pacote de assistentes eletrônicos é um dos destaques do chassi Mercedes-Benz O 500 RSD 2443 6×2, que é voltado para uso em  ônibus rodoviários. O equipamento é opcional nos veículos na configuração 6×2 e de série nos 8×2, combinado ao câmbio automatizado GO-240 de oito marchas e ao motor OM 457 LA, um seis cilindros diesel de 12 litros, que é calibrado para desenvolver 428 cv.

Um radar frontal na grade é o responsável por comandar o ACC . O equipamento começa a operar a partir dos 15 km/h e, assim como nos carros, permite regular manualmente a distância mínima para os veículos à frente, que se altera de acordo com a velocidade do tráfego.

Engenheiro de marketing da Mercedes-Benz, Gilson Zinetti explica que apesar de levar o mesmo nome dos sistemas utilizados nos veículos de passeio da marca, o controlador automático de velocidade foi programado para funcionar de uma maneira diferente nos ônibus, com o objetivo de reduzir a necessidade de uso dos freios convencionais.

Leia Também:  "Nada justifica um tiro pelas costas", diz Doria sobre morte de motociclista

“O sistema de freio tem gerenciamento eletrônico e permite integrar tecnologias como o ACC. Ele é capaz de interpretar se basta o uso do freio motor para fazer o controle de velocidade ou quando é necessário o emprego do retarder (sistema auxiliar de freio montado na transmissão dos veículos pesados) e dos freios convencionais”, ressaltou.

O mesmo radar é responsável também por operar o sistema de frenagem autônoma de emergência, que funciona inicialmente dando alertas visuais e sonoros de risco de colisão, mas é capaz de interferir para parar o veículo.

Por medida de segurança, o fabricante instalou um sistema que permite “punir” os motoristas mais agressivos. Caso o condutor se envolva em mais de três ocorrências de “quase acidente” em um mesmo dia, a frenagem automática é desativada e uma mensagem de erro aparece no painel, exigindo o seu desbloqueio na concessionária.

Já o monitor de manutenção em faixa é comandado por uma câmera instalada no para-brisa e opera acima de 60 km/h. O equipamento faz a leitura das faixas e emite um alerta sonoro (em alto e bom som) caso as rodas ultrapassem uma faixa sem que o motorista sinalize a manobra. Existe a opção ainda de integrá-lo a um alerta vibratório no assento do condutor.

Todos esses sistemas são comandados pelo condutor por meio de um comando na coluna de direção e podem ser monitorados pela tela multifuncional do quadro de instrumentos, que exibe também informações sobre a pressão e temperatura dos pneus e traz um computador de bordo que permite gravar até metas de consumo de combustível.

Leia Também:  Harley-Davidson Sportster deixará de ser vendida no Brasil

Na estrada

Para ver como essas tecnologias de condução funcionam em um veículo comercial, fomos conduzidos por Humberto Pessoa, motorista instrutor da Mercedes-Benz , em um trajeto de cerca de 50 km que incluiu a rodovia Anchieta e a Estrada Velha de Santos. Na maior parte do passeio, Pessoa conduziu o ônibus sem recorrer aos pedais de freio e acelerador, variando a velocidade apenas pela configuração do ACC.

Depois de avaliar vários automóveis equipados com o sistema, que nos carros de passeio normalmente apresentam respostas muito mais ágeis, o que me chamou atenção nesse ACC de ônibus são as respostas extremamente suaves de aceleração e frenagem, com o objetivo de reduzir as oscilações da carroceria e também o consumo de combustível.

Mas apesar do avanço da eletrônica, em um trecho mais sinuoso, a eletrônica do ônibus Mercedes-Benz interpretou que um carro vindo na pista contrária estava rodando no mesmo sentido e alertou o condutor, que foi capaz de interpretar o “falso positivo”. Um sinal de que mesmo com a tecnologia, o motorista bem treinado e atento ainda faz toda a diferença.

Ficha técnica

Mercedes-Benz O 500 RSD 2443 6×2

Preço: R$ 550.000 (chassi base, sem carroceria)

Motor: 12.0, seis cilindros, diesel

Potência : 428 cv a 2.000 rpm

Torque: 214,14 kgfm a 1.100 rpm

Transmissão: automatizado, oito marchas, tração traseira

Suspensão: Pneumática (dianteira e traseira) 

Freios: Tambor com discos opcionais e retarder Voith R 115

Pneus: 295/80R 22,5

Dimensões: Até 14 metros de comprimento

Tanque : 20 litros (para transporte, antes da instalação da carroceria)

Consumo: não disponível

0 a 100 km/h: não disponível

Vel. Max: 120 km/h (limitada eletronicamente)

Fonte: IG CARROS

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA