CIDADES

Adão Neponoceno assume pela 3ª vez Secretaria de Saúde de Acorizal e afirma que trabalhará priorizando o SUS

A experiência frente à Saúde municipal foi fator preponderante para que Adão aceitasse esse novo desafio

Publicados

em

O ex-vereador Adão Neponoceno mais uma vez está à frente da Secretaria Municipal de Saúde do município de Acorizal, cargo que ele já ocupou três vezes em outras gestões. Ele aceitou o convite do prefeito Benna Lemes (DEM), e coloca como seu principal desafio colocar em pleno funcionamento todos os PSFs (Programa Saúde da Família) e postos de saúde dos distritos de Aldeia, Baús e comunidades rurais.

“Queremos que todos os PSFs e postos de saúde tenham médico e ambulância, e queremos fazer isso em no máximo quatro meses”, afirma, lembrando que atua na área de saúde, sendo formado em radiologia e sendo técnico do SUS (Sistema Único de Saúde).

Queremos que todos os PSFs e postos de saúde tenham médico e ambulância

A experiência frente à Saúde municipal foi fator preponderante para que Adão aceitasse esse novo desafio. Ele foi coordenador de saúde em 2011, já em 2012 foi eleito o vereador mais votado, mas se afastando no primeiro dia para assumir a Secretaria de Saúde, cargo que ficou por 17 meses.

Leia Também:  Irmãos doam fazenda de R$ 4 milhões para ampliação do Hospital de Câncer

Já em 2014 pediu exoneração para disputar a direção da Mesa Diretora da Câmara Municipal, quando foi eleito presidente.

Em 2016 foi reeleito vereador, tendo se afastado em 2019 novamente da Câmara para novamente assumir a Secretaria de Saúde, onde ficou até março de 2020, tendo retornado novamente à Pasta agora em janeiro, após o convite do prefeito Benna Lemes.

“Quando fui secretário a primeira vez, consegui recursos para reforma e ampliação da sede da Secretaria. Quando fui secretário pela segunda vez, consegui fazer o anexo do centro de saúde, fisioterapia, sala do secretário, e agora quero botar para funcionar todos os PSFs e postos de saúde”, afirma.

Adão ainda reafirmou que o desafio é muito grande, mas agradece a confiança do prefeito e diz que envidará esforços para fazer muito em pouco tempo, trabalhando sempre priorizando o SUS.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CIDADES

Famílias são retiradas de casas em VG durante reintegração de posse

Publicados

em

Forças de Segurança iniciaram nas primeiras horas da manhã desta quarta-feira (16), a desapropriação das casas do residencial Colinas Douradas, no bairro Tarumã, em Várzea Grande. Muitas famílias deixaram no local durante a madrugada, algumas resistiram, mas o processo foi iniciado sem conflitos.

Participam da ação a Polícia Militar, Bope, membros da Caixa Econômica Federal, Corpo de Bombeiros, Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e outros. A ação começou pouco antes das 5h30.

A mudança das famílias começou na madrugada. Algumas delas foram pegas de surpresa, pois circulavam informações de que um recurso havia adiado a reintegração para o dia 5 de janeiro. Sem dinheiro para pagar a mudança, algumas pessoas retiravam os poucos móveis das moradias com carros de passeio, carrinhos de supermercado, carrinhos de bebê e até mesmo nos braços, com ajuda de vizinhos.

A presença policial é vista em todas as ruas do residencial. Armados, eles pressionam os ocupantes a agilizarem as mudanças. Alguns ocupantes relatam ameaça de destruição dos móveis e uso de spray de pimenta nos que resistiam a sair.

Muitos dos ocupantes não têm para onde ir e nem onde deixar a mobília. Essas pessoas contam com a solidariedade de moradores do bairro para guardarem os pertences até que encontrem um local para se abrigarem.

O cenário é desolador. Móveis já gastos pelos anos são amontoados na frente das casas. Moradores permanecem na rua, sem saber o que fazer diante do despejo. Crianças ficam no meio da rua, entretidas com os vizinhos enquanto os pais carregam os pertences para fora, isso quando não ajudam a carregar a mobília.

Leia Também:  Vacinação "não é uma questão de Justiça", mas de saúde, diz Bolsonaro

“Eu não sabia da decisão. Fui pega de surpresa pela polícia na porta de casa hoje. Tinham falado que a gente poderia ficar até dia 5”, afirmou uma moradora que não quis se identificar. A mulher morava no local com o marido e 3 crianças, a renda da família provém da venda de salgados na rua.

O comandante da Polícia Militar em Várzea Grande, coronel Januário Batista, afirmou que a desocupação começou às 5h e foi pacífica. Houve alguns moradores que resistiram a deixar as casas, mas sem maiores atritos.

“Esses moradores alegaram que não tinham conhecimento, mas nossas equipes de inteligência apuraram que na madrugada algumas pessoas já estavam fazendo a mudança. Todos foram informados na sexta-feira que haveria as reintegração de posse”, explicou o policial.

O comandante afirmou que 160 policiais militares e 50 policiais federais participam da ação, assim como Corpo de Bombeiros. Cavalaria e helicóptero reforçaram a segurança.

Mil famílias estavam no local e, segundo o comandante, cerca de 300 ainda estavam retirando a mobília na manhã desta quarta-feira. O coronel ainda informou que 100 presos sob monitoramento eletrônico moravam na ocupação.

A obra do residencial ainda não foi concluída e em outubro, Justiça determinou a reintegração de posse da área para a construtora. Lançada em agosto de 2017, com previsão de conclusão para 2018, as casas nunca foram entregues.

Leia Também:  Famílias são retiradas de casas em VG durante reintegração de posse

O residencial é fruto do programa federal Minha Casa Minha Vida, com investimento de R$ 17,4 milhões. Em 4 anos, até o sorteio dos contemplados já foi realizado, mas a obra em si, nunca finalizada e entregue à população que mais precisa da moradia.

Outro lado
A Prefeitura de Várzea Grande foi procurada e informou que estão sendo avaliadas possibilidades para amparar essas famílias.

A Caixa Econômica Federal (CEF) também foi procurada e encaminhou a seguinte nota:

A CAIXA informa que o Residencial Colinas Douradas, em Várzea Grande (MT), foi invadido em 09/09/20, durante a fase de obras, portanto em condições precárias, insalubres e com ausência de serviços básicos para habitabilidade, não havendo as condições mínimas sanitárias para preservação da saúde das pessoas, em especial na atual situação de pandemia mundial proporcionada pelo novo Coronavírus.

Assim, diante da invasão ocorrida, a CAIXA, em obediência ao seu dever legal, ajuizou ação de reintegração de posse, em consonância às suas atribuições no Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV). Na condição de agente financeiro executor do Programa, a CAIXA tem como atribuição definida pela legislação vigente zelar pelo patrimônio do FAR e adotar todas as medidas judiciais e extrajudiciais para a defesa dos direitos do fundo no âmbito das contratações que houver realizado, conforme Anexo 1, item 2.3 – g, da Portaria Nº 114 , de 9 de fevereiro de 2018.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA