728x90 (1)

MATO GROSSO

Primeira-dama Virginia Mendes é madrinha do projeto de turismo da Aldeia Wazare

Esta é a primeira aldeia de Mato Grosso com autorização e legalidade para desenvolver o Etnoturismo; e tem como madrinha a primeira-dama Virginia Mendes

Publicados

em

A Aldeia Wazare, localizada no município de Campo Novo do Parecis (a 400km de Cuiabá) é a primeira aldeia de Mato Grosso com autorização e legalidade para desenvolver o Etnoturismo. O projeto tem como madrinha a primeira-dama do Estado, Virginia Mendes que participou da entrega da Carta de Anuência à aldeia, na última quinta-feira (02).

A Carta de Anuência foi entregue pelo presidente da Funai, Marcelo Xavier. A decisão leva em consideração que os indígenas têm assegurado o desenvolvimento sustentável em suas áreas.

No evento de entrega também houve a inauguração da maior ‘Hati’ – Casa Tradicional – da história do povo Haliti-Paresi. A nova ‘Hati’ tem 25 metros de comprimento, 10m de largura e 6,10m de altura, um amplo espaço para receber os visitantes e turistas.

A primeira-dama Virginia Mendes também fez a entrega de 250 cestas básicas, 250 kits de higiene e limpeza, 270 brinquedos e 270 kits de doces para as crianças. As entregas fazem parte da ação de Natal e dos programas SER Família Solidário e SER Família Indígena.

Leia Também:  McLaren contrata neozelandesa Gilmour como primeira pilota da equipe

“A convite do Cacique Rony, sou a madrinha do projeto de turismo da Aldeia Wazare e é uma grande honra! Este é um momento histórico, porque são 20 anos dele para tentar regularizar o Etnoturismo aqui, sonho que se realiza hoje. Gratidão a todos que se deslocaram para participar desse dia tão especial. Agradeço ao presidente da Funai, Marcelo Xavier, por entregar em mãos a Carta de Anuência e a sua esposa Jucilene que veio o acompanhando. Quero parabenizar por todo trabalho do nosso superintendente de Assuntos Indígenas, Agnaldo Santos, que não mede esforços para ajudar as comunidades indígenas. Todos, agora, podem ter a oportunidade de vivenciar essa experiência única com segurança, responsabilidade e sustentabilidade. Recomendo a visitação!”, disse Virginia Mendes.

Para o cacique Rony, as comunidades e as organizações indígenas que estiverem trabalhando de forma correta e transparente não terão parcerias negadas. “Por isso eu acho que temos esse apoio tão importante do Governo de Mato Grosso, por meio da nossa primeira-dama Virginia e do governador Mauro, e também da Funai pelo presidente Marcelo Xavier. Nós, da comunidade Paresi, estamos trabalhando com sinceridade e mostrando que não queremos apenas o nosso bem, e sim da comunidade”.

Leia Também:  Prefeitura de Jaciara e Sinop estão com inscrições abertas para concurso público

Marcelo Xavier, presidente da Funai, entende que é importante levar protagonismo e deixar cada comunidade indígena ter a autonomia sobre as suas próprias áreas é a solução. “Ninguém melhor que o próprio indígena para decidir o que deseja e o que não deseja fazer dentro das suas terras. Esperamos que esse exemplo sirva como modelo e seja replicado por todo Brasil. E o que é muito importante também o apoio que o Governo de Mato Grosso e dos municípios têm oferecido a esses projetos. Nós entendemos que essa sinergia envolvendo os entes federativos é essencial para levar dignidade às aldeias brasileiras”.

Fonte: Secom-MT

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MATO GROSSO

Socorristas da BR-163 salvam dois bebês engasgados, em Mato Grosso

Publicados

em

De acordo com a concessionária Rota do Oeste, equipe do serviço pré-hospitalar já realizou mais de 1.900 atendimentos neste ano

Uma pessoa é atendida a cada duas horas pelas equipes a serviço médico da concessionária Rota do Oeste na BR-163/364 entre Itiquira e Sinop, no estado de Mato Grosso.

Segundo a empresa, primeiro semestre deste ano, foram quase dois mil casos dentre mal-estar, partos, sintomas repentinos e outros quadros atendidos pelo sistema de atendimento pré-hospitalar móvel presente em todo o trecho sob concessão.

De acordo com a gerente de Operações da Rota do Oeste, Bárbara Nathane, qualquer usuário da BR-163 pode solicitar os serviços oferecidos pela empresa. Todos os casos clínicos são avaliados e de acordo com cada quadro o usuário pode ser orientado a procurar a unidade de saúde adequada. em casos mais graves, os usuários são encaminhados à unidade de saúde. “Implantamos diversos serviços ao usuário ao longo da rodovia, como atendimento clínico, mecânico e salas de repouso nas SAUs, para atender as necessidades dos usuários.”, comenta. Os serviços operacionais são mantidos integralmente pela arrecadação nas praças de pedágio, sem custo adicional ao usuário.

Atendimento pré-hospitalar

O atendimento pré-hospitalar oferece socorro emergencial aos motoristas que apresentam algum tipo de mal-estar, prezando pela segurança viária e o bem-estar dos usuários da rodovia.

Segundo Nathane, como a empresa possui uma base de atendimento ao usuário a cada 50 quilômetros, muitas vezes os locais se tornam mais próximos das comunidades do que as unidades de saúde, então a população geral também acaba recorrendo aos socorristas da BR-163 em emergências. “Foi o que aconteceu com as famílias de duas crianças este mês em Várzea Grande”, disse.

Leia Também:  Edina Alves será primeira mulher a apitar Derby paulistano

Bebês engasgados

Recentemente, dois casos semelhantes envolvendo bebês engasgados com leite materno foram atendidos pelo Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU 8), em Várzea Grande (MT), no Trevo do Lagarto.

Na noite de 2 de julho, os pais do bebê Bruno, com 1 mês de vida, foi até a base da concessionária procurar ajuda médica para o bebê que não estava conseguindo respirar. A mãe Ivonete Felix do Nascimento conta que havia amamentado a criança e guardava as compras do supermercado quando percebeu que o recém-nascido estava engasgado. Ela tentou realizar as manobras de desobstrução das vias aéreas, mas não conseguiu. Nesse momento, a família saiu em busca de socorro e em menos de dez minutos estava na base de atendimento, onde o socorrista Francisco Magalhães pegou a criança em seus braços e realizou as manobras necessárias para que Bruno voltasse a respirar.

Dias depois, após Bruno ter passado algum tempo no hospital em observação, Ivonete retornou com o bebê ao posto SAU 8 para agradecer o atendimento. Mais tranquila e passado o susto, ela e seu marido reconhecem que os membros da equipe de socorro foram verdadeiros heróis que salvaram a vida do seu filho.

Numa outra ocorrência, em 16 de julho, a pequena Júlia, com apenas 28 dias de vida, passeava de carro com os pais próximo ao Trevo do Lagarto e também se engasgou com leite materno. A menina teve uma crise de tosse e ficou sem respirar. A mãe Rayanne Gonçalves Leite Oliveira conta que o marido é caminhoneiro e já conhecia os serviços oferecidos pela concessionária, por isso foi até a SAU 8 para pedir por ajuda. Assim como no primeiro caso, foi o socorrista Francisco Magalhães que atendeu à recém-nascida e fez com que ela voltasse a respirar normalmente.

Leia Também:  Nova regra de tributação para importação de insumos agrícolas entra em vigor em 2022

Após o atendimento na base, as crianças, acompanhadas de seus pais, foram encaminhadas pelas equipes da concessionária a unidades de saúde para acompanhamento médico especializado. Após o atendimento de Júlia, a equipe entrou em contato novamente em alguns dias para saber o atual estado de saúde da paciente e receber o retorno sobre os serviços prestados. Rayanne afirma que, para ela e o marido, que é usuário assíduo da BR-163, não apenas os socorristas que atenderam sua filha, como todos da Rota do Oeste são anjos na vida das pessoas.

O socorrista envolvido nos dois casos, Francisco Magalhães, expressa gratidão em poder salvar mais uma vida a cada atendimento. Ele orienta que, em casos semelhantes aos apresentados, os pais mantenham a calma e tentem realizar a manobra de Heimlich, que consiste em colocar o bebê de bruços no antebraço, com a cabeça virada para baixo e dar cinco tapas leves nas costas, na altura do ombro para provocar o desengasgue. Porém, ambas as famílias agiram corretamente em procurar auxílio imediatamente.

Outros socorristas envolvidos nos salvamentos das crianças também merecem todo o reconhecimento pelo trabalho heroico. São eles: Jonata Consuelo, Thiago Deogado e Lucas Carneiro. 

Estrutura de atendimento

A concessionária Rota do Oeste oferece socorro clínico ao longo dos 850 quilômetros de rodovia sob concessão por meio das 18 SAUs e 18 ambulâncias, sendo cinco delas equipadas com UTI móvel para emergências. Nas bases de atendimento ao usuário, os motoristas e passageiros têm ainda acesso a socorro mecânico, banheiro, água, telefone e espaço para descanso. Os atendimentos clínico e mecânico também podem ser acionados pelo 0800 065 0163.

Da Redação

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA