728x90 (1)

MUNDO

Imagens de cemitérios feitas por satélite mostram efeitos da Covid-19 no Iêmen

Publicados

em


source
.
Divulgação

No cemitério de Radwan, Aden, Iêmen, em maio de 2020, novas sepulturas apontam para o impacto da pandemia do novo coronavírus


Um estudo inovador, usando imagens de satélite de alta resolução para analisar cemitérios , observou que as mortes quase dobraram em Aden, o centro do  surto do novo coronavírus no Iêmen. A descoberta deu uma ideia da verdadeira escala da devastação que a pandemia causou no país vulnerável.


A pesquisa, ainda não revisada por pares, mas divulgada nesta quarta-feira (28), foi feita pela London School of Hygiene & Tropical Medicine e por especialistas em análise geoespacial da Satellite Applications Catapult, ambas na Inglaterra.

Os estudiosos usaram imagens de satélite, fontes de dados oficiais e entrevistas com pesquisadores na cidade de Aden para quantificar a atividade de sepultamento em todos os cemitérios identificáveis ​​dentro da cidade. Entre abril e setembro de 2020, houve cerca de 2.100 mortes na área, contra uma expectativa cerca de 1.300 óbitos.

Leia Também:  Covid-19: Brasil tem 3 milhões de recuperados e 120 mil mortes

Esses são os primeiros dados quantitativos significativos sobre o surto de Covid-19 no Iêmen e devem auxiliar no planejamento de resposta à pandemia e outras intervenções humanitárias vitais. Um projeto semelhante da mesma equipe está em andamento na Somália.

“Em um contexto como o do Iêmen, as estatísticas não são confiáveis ​​ou são apenas projeções, e até mesmo os atores locais têm dificuldade em coletar dados precisos”, disse a autora principal, Emilie Koum Besson.

“Você pode dizer x ou y sobre a pandemia, mas se não houver dados para isso, você não pode realmente saber o impacto . Usar imagens de satélite para criar dados de saúde pública é uma ciência muito nova e esperamos que seja útil em locais afetados por conflitos.”

O número total oficial de casos é de apenas 2.060, e as mortes são estimadas em 599 até o momento, mas a capacidade de testes no país é quase inexistente

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MUNDO

Embaixadora que agrediu funcionária em Brasília volta para as Filipinas

Publicados

em

Por


source
Embaixadora das Filipinas
Reprodução

Embaixadora que agrediu empregada em Brasília volta para as Filipinas

A embaixadora das Filipinas no Brasil,  Marichu Mauro, deixou o Brasil na madrugada desta terça-feira (3) e voltou ao país asiático. O retorno ocorreu no mesmo dia em que o presidente  Jair Bolsonaro (sem partido) tornou sem efeito um decreto publicado no dia 7 de outubro, que iria admitir a embaixadora na Ordem Nacional do Cruzeiro do Sul, no grau de Grã-Cruz.

A condecoração é destinada a chefes de Estado, chefes de Governo, príncipes, presidente do Poder Legislativo, presidentes das Cortes Supremas de Justiça, ministros de Estado, embaixadores, governadores, almirantes, marechais, marechais-do-ar, almirantes-de-esquadra, generais-de-Exército, tenentes-brigadeiros e outras personalidades de hierarquia equivalente.

Contexto 

A embaixadora  foi flagrada agredindo com tapas no rosto e puxões de orelha uma empregada doméstica da residência oficial da representação diplomática das Filipinas em Brasília.

Leia Também:  Espanha anuncia novas restrições contra a covid-19 em Madri

As gravações integram inquérito do Ministério Público do Trabalho (MPT). A vítima, de 51 anos, é de origem filipina e embarcou para seu país de origem no último dia 21.

Marichu Mauro estava no cargo desde 7 de abril de 2018. Ela chegou a ser homenageada pelo então presidente  Michel Temer, que recebeu suas credenciais diplomáticas.

Desde janeiro, Marichu Mauro também representa as Filipinas na Venezuela como embaixadora não residente. Ela é, ainda, embaixadora na Guiana, na Colômbia e no Suriname.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA