728x90 (1)

MUNDO

Ouçam a Terra e os pobres, diz papa em apelo a líderes na COP26

Francisco disse esperar “respostas eficientes” e “esperança concreta”

Publicados

em

O papa Francisco fez um apelo aos líderes mundiais presentes na cúpula da COP26 da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre mudanças climáticas neste domingo (31) para que ouçam “o grito da Terra e o grito dos pobres”.

Francisco, que fez da proteção do meio ambiente uma pedra angular de seu pontificado, disse em sua bênção na Praça São Pedro que esperava que a reunião em Glasgow fornecesse “respostas eficientes e oferecesse esperança concreta às gerações futuras”.

Foi a segunda vez em três dias que o papa fez um apelo aos participantes da reunião da ONU para que concordassem com ações e não com meras palavras na cúpula climática, que começa neste domingo.

Na sexta-feira (29), ele disse à rádio BBC que o encontro estava acontecendo em um momento crucial porque a pandemia de covid-19, a crise ambiental e os problemas de abastecimento de alimentos estavam juntos criando uma “tempestade perfeita” que corria o risco de provocar rupturas na sociedade.

Ele ressaltou essas preocupações no domingo, pedindo à multidão que visita uma exposição na Praça São Pedro sobre sua encíclica “Laudato Si” (Louvado Seja) de 2015 sobre o meio ambiente feita por um fotógrafo de Bangladesh. Os cientistas dizem que o país será um dos mais afetados pela elevação do nível do mar.

Leia Também:  Após três derrotas, Flamengo vence Goiás e encosta nos líderes | Agência Brasil

O papa, de 84 anos, havia dito várias vezes que esperava participar da COP26, mas o Vaticano anunciou em 8 de outubro que sua delegação seria chefiada pelo secretário de Estado, Cardeal Pietro Parolin, sem explicar os motivos para a ausência do papa.

Fonte: Agência Brasil

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

MUNDO

Campanha alerta sobre os riscos do feminicídio

O Ligue 180 é uma das principais ferramentas

Publicados

em

A campanha nacional abrange a produção de vídeos, spots para uso em rádio comunitárias e parceiras, cards educativos, enquetes interativas destinadas às redes sociais, cartazes, folders e outras peças de cunho publicitário. Os materiais também têm a proposta de estimular a cultura da denúncia.

O Ligue 180, a Central de Atendimento à Mulher, é uma das principais ferramentas para iniciar o acionamento de toda a rede de proteção às pessoas em situação de violência.

No que se refere aos números do Ligue 180, apenas de julho do ano passado a novembro deste ano, mais de 97,4 mil denúncias de violência doméstica e familiar contra a mulher foram registradas. Outras violações somaram mais de 24,5 mil casos no período.

Fatores de risco

A secretária Nacional de Políticas para as Mulheres, Cristiane Britto, explica que, segundo o Código Penal brasileiro, o feminicídio consiste no assassinato cometido em razão do sexo feminino. Em resumo, é quando o crime envolve violência doméstica e familiar ou menosprezo e discriminação à condição de mulher.

“Lembro a todos que o feminicídio é o final do chamado ciclo da violência. Até chegar nessa situação, geralmente começa com algo considerado por muitos como simples, seja um empurrão ou agressão verbal, por exemplo. Nós mulheres precisamos estar atentas aos sinais que envolvem violência física, psicológica, moral, sexual, patrimonial e as situações de risco”, alerta a gestora.

Leia Também:  Bolsonaro entrega títulos de propriedade de terra no Maranhão

Entre os fatores de risco para o feminicídio, estão o isolamento social, a ausência de rede de serviços de saúde e proteção social bem estruturada e integrada, a pouca consciência de direitos, histórico de violência familiar, transtornos mentais, uso abusivo de bebidas e drogas, dependência afetiva e econômica, presença de padrões de comportamento muito rígidos, exclusão do mercado de trabalho, deficiências, vulnerabilidades relacionadas a faixas etárias e escolaridade.

Ativismo

O movimento proposto pela Organização das Nações Unidas (ONU), 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, ocorre todos os anos em mais de 150 países, com atividades de conscientização e mobilização. No Brasil, os eventos são promovidos durante 21 dias. A programação começa de forma antecipada em 20 de novembro, Dia Nacional da Consciência Negra, e vai até 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: Agência Brasil

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA