728x90 (1)

POLÍCIA FEDERAL

Dono de posto de combustível é alvo de operação da PF em Cuiabá por tráfico de drogas

A investigação evidenciou uma movimentação de aproximadamente R$ 350.000.000,00, num período de quatro anos.

Publicados

em

A Polícia Federal deflagrou, nesta segunda-feira (16.05), nos municípios de Cuiabá, Várzea Grande, Mirassol D’Oeste, Poconé e Pontes e Lacerda, a Operação Jumbo, que tem como alvo uma organização criminosa investigada por tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

 

Foram expedidos pela 7ª Vara Criminal de Cuiabá, oito mandados de prisão preventiva,  29 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de diversos bens. Um dos alvos de mandado é empresário e dono do posto de combustível Jumbo, que fica na rodovia Palmiro Paes de Barros, no bairro Nossa Senhora Aparecida, próximo à saída para Santo Antônio.

 

A investigação da Polícia Federal evidenciou uma movimentação de aproximadamente R$ 350.000.000,00,  num período de quatro anos. Foi apurado, também, que a organização criminosa adquiria cocaína no município de Porto Esperidião, acondicionava em Mirassol D`Oeste, para, depois, distribuí-la em Cuiabá.

 

No decorrer da investigação, com o apoio da do setor de inteligência da Polícia Militar e do Gefron, foi possível interceptar dois carregamentos de drogas, totalizando 210kg de cocaína.

Leia Também:  PRF apreende mais de 550 kg de cocaína encontrados em fundo falso de carreta que transportava milho em MT

 

Além disso, a investigação apontou que a organização criminosa utilizava postos de combustíveis em Cuiabá para a lavagem de dinheiro decorrente do tráfico de drogas.  As investigações e diligências contra o tráfico de drogas continuam, com especial atenção à prisão das lideranças e descapitalização de organizações criminosas.

Da Redação

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍCIA FEDERAL

PF fecha cerco contra quadrilha de extração e comércio ilegal de ouro

Em Mato Grosso, um mandado de busca e apreensão foi cumprido em Várzea Grande.

Publicados

em

A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (07) a Operação Ganância, com objetivo de combater a extração, comércio ilegais de ouro, lavagem de dinheiro, corrupção e organização criminosa em diversos estados. Entre os anos de 2019 e 2021, o grupo criminoso movimentou mais de R$ 16 bilhões de reais em suas contas bancárias.

Ao todo, foram cumpridos 60 mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão preventiva, nos estados do Acre, Goiás, Pará, Rio de Janeiro, Rondônia e Mato Grosso.

As investigações da Operação Ganância começaram em fevereiro de 2021 após uma denúncia dizendo que empresas do ramo de saúde de Porto Velho (RO) estariam lavando dinheiro de valores recebidos em licitações fraudulentas.

Nas primeiras diligências, foi verificado que recursos ilícitos injetados em empresas da capital rondoniense eram oriundos de garimpo ilegal, praticado, pelo menos, desde 2012 pelos líderes da organização criminosa.

A partir de então, foi revelada uma movimentação de quantias bilionárias pelo grupo criminoso, com depósitos e saques milionários em espécie, empresas de fachada e transferências bancárias entre envolvidos.

Leia Também:  Prefeito anuncia RGA de 12,47% aos servidores de Cuiabá

Foram identificados diversos meios de lavagem de capitais praticados pela organização criminosa, com destaque entre os modus operandi, a criação de um criptoativo (token) próprio de uma das empresas, com a finalidade de justificar os valores advindos da extração ilegal do ouro nas empresas dos criminosos, como se fossem investimentos de terceiros interessados em receber dividendos.

A análise bancária feita pela Polícia Federal apontou ainda que, entre os anos de 2019 e 2021, o grupo criminoso movimentou mais de R$ 16 bilhões de reais em suas contas bancárias.

Foi possível demonstrar que a mineradora investigada “esquentava” o ouro extraído ilegalmente de outros garimpos da região norte do país utilizando-se de licenças ambientais inválidas e extrapolando os limites da licença de pesquisa e da guia de utilização que possuía para o local.

Estima-se que o rendimento da empresa tenha sido de R$ 1,1 bilhão.

A Justiça Federal deferiu o bloqueio, sequestro e o arresto dos bens móveis e imóveis dos investigados até o limite de R$ 2 bilhões.

Fonte: Reporte MT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA