728x90 (1)

POLICIAL

Bope identifica quinto membro do Novo Cangaço e apreende mais de R$ 50 mil

Publicados

em

O batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) identificou o quinto homem suspeito de integrar o grupo do Novo Cangaço preso na manhã desta sexta-feira (9). Trata-se do pernambucano Salvador Santos Portela, de 51 anos. Com ele, foi apreendido pouco mais de R$ 50, 4 mil. Ele é suspeito de fazer parte do grupo que roubou duas agências bancárias em Nova Bandeirantes ( a 1.200 km de Cuiabá), no dia 4 de junho.

De acordo com o Bope, os agentes estavam realizando rondas na região do Distrito de Japuranã quando encontraram o suspeito em uma lanchonete.

Por estar desarmado, Salvador não resistiu a prisão e acabou se entregando. Questionado sobre os armamentos e o dinheiro que havia sido roubado, o pernambucano levou os policiais até uma região de mata onde os materiais estavam escondidos.

Na mata, o Bope encontrou R$ 50.407,60 mil, duas espingardas, joias e coletes balístico. Posteriormente, ele será encaminhado à delegacia da Polícia Civil para prestar depoimento. Ainda não foi informado se o homem possui ficha criminal.

Leia Também:  No combate às fraudes veiculares, PRF apreende dois semirreboques adulterados em Rondonópolis/MT

Este é o quinto membro do grupo que foi preso. Valdecir de Salles Barboza e Franklis Souza de Jesus, de 26 anos, foram presos no dia 26 de junho em Nova Monte Verde, a 54 km de Nova Bandeirantes, durante as incursões dos agentes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) na mata.

Ambos tiveram a conversão da prisão em flagrante em preventiva pela juíza Janaina Rebucci Dezanetti.

LEIA MAIS: Juíza mantém prisão de suspeito de integrar grupo do Novo Cangaço

Já Ednicio Pereira Cavalcante, de 28 anos, e Josias Silveira, 45 anos, foram presos no dia 23 de junho pelos agentes da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) enquanto tentavam negociar a compra de um veículo para tentar fugir do município.

Entretanto no dia 25 de junho, Justiça de Mato Grosso decidiu pela soltura de Josias. Já Ednicio teve a prisão em flagrante convertida em preventiva.

LEIA MAIS:Justiça manda soltar suspeito de integrar grupo do Novo Cangaço

Além dos presos, desde o dia 4 de junho, nove criminosos foram mortos em confrontos com a Polícia Militar. São eles: Ronaldo Rodrigues de Souza, de 41 anos, e Samuel Santos Silva, de 24 anos, Cristiano de Jesus Nunes, Waldeir Porto Costa, de 25 anos, Romário de Oliveira Batista, de 35 anos, Maciel Gomes de Oliveira, de 37 anos, e Luiz Miguel Melek, de 40 anos.  Diego de Almeida Costa, de 30 anos e Adailton Santos da Silva, de 40 anos.

Leia Também:  PM lamenta morte de soldado Henrique de Souza Fernandes dos Santos

A estimativa é de que mais de 20 pessoas tenham participado do crime.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLICIAL

Helicóptero que caiu com 300 kg de cocaína está em nome de policial civil do DF

Droga foi encontrada pela Polícia Federal, neste domingo (1º), em área de fazenda, no Pantanal de Mato Grosso. Policial disse que vendeu aeronave em maio

Publicados

em

O helicóptero que caiu na região do Pantanal, em Mato Grosso, com aproximadamente 300 kg de cocaínaestá no nome de um policial civil do Distrito Federal. A aeronave foi encontrada no domingo (1º), em uma fazenda, no município de Poconé (MT), durante uma investigação da Polícia Federal.

Na matrícula da aeronave, na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), consta que o dono da aeronave é o papiloscopista policial Ronney José Barbosa Sampaio. O servidor público disse ao G1 que vendeu o helicóptero em maio.

“Eu tenho todos os documentos da venda do helicóptero, fiz a transferência da minha parte. Mas esse processo é igual quando vende um carro. Se o comprador não for lá e fizer a transferência para ele também, ele continua no meu nome”, disse o policial.

De acordo com o agente da Polícia Civil do DF, o helicóptero foi vendido para um homem que mora em Mato Grosso do Sul (MS). A reportagem tenta contato com o comprador, mas o telefone informado pelo policial está desligado.

Leia Também:  Vítima de agressão denuncia marido com três armas de fogo e munições

Segundo Ronney Sampaio, o helicóptero não poderia ter sido usado, pois não estava em condições de voo. “Ele não estava aeronavegável e não tinha autorização para voar”, contou.

“Eu comprei ele [o helicóptero] tem um ano mais ou menos. Mas como eu não tinha dinheiro pra arrumar o documento dele, eu vendi. O recibo da venda do helicóptero foi feito em 25 de maio deste ano”, diz o policial civil.

Segundo o Portal da Tranparência do Distrito Federal, a última remuneração do policial civil, em junho foi de R$ 19.746,02. O salário médio dele é de cerca de R$ 12 mil.

Tráfico internacional de drogas

A Polícia Federal monitorava uma possível situação de tráfico internacional de drogas quando encontrou o helicóptero. A aeronave, modelo Robinson R-44, matrícula PT-RMM, estava parcialmente destruída, no chão, e com sacos de droga ao redor.

De acordo com a PF, o helicóptero é avaliado em aproximadamente R$ 450 mil e tem capacidade para transportar até três passageiros, além do piloto, e carga máxima de 340 kg. O caso é investigado pela Polícia Federal de Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA