728x90 (1)

POLICIAL

Cena do crime não teve muitas mudanças, diz Politec

Publicados

em

A perícia realizada por agentes da Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec), no local da morte de Isabele Guimarães Ramos, de 14 anos, aponta que, preliminarmente, não houve adulteração substantiva da cena do crime.

As investigações da morte da adolescente ainda estão em andamento. Isabele foi encontrada morta por policiais militares no banheiro da casa da amiga, que atirou acidentalmente em seu rosto, no Condomínio Alphaville, em Cuiabá.

O delegado responsável pelo caso, Olímpio da Cunha Fernandes Júnior, informou que não tem todas as respostas. Para não atrapalhar a investigação, ele fará uma coletiva de imprensa nos próximos dias.

De acordo com a Politec, que ainda realiza perícia e aguarda por laudo definitivo, não houve mudanças substanciais na cena do crime. Contudo, é provável que pequenas alterações tenham sido feitas.

“No entanto, não descarto a possibilidade de ter havido algum tipo de rearranjo de pequenos objetos pessoais na cena como, por exemplo, as posições relativas do aparelho de cigarro eletrônico e a bolsa da vítima”, afirmou um dos peritos, que prefere não se identificar.

Leia Também:  Polícia Militar prende suspeito de matar a própria mãe asfixiada em Várzea Grande

A princípio, o corpo da adolescente não apresentou sinais de mudanças, alterações ou transporte. Especula-se que Isabele tenha sido levada ao banheiro, após o disparo.

“Em outras palavras, as possíveis alterações no local não afetam substancialmente o tipo da ação, nem seu local de realização”, afirmou um dos peritos, que prefere não se identificar.

Inclusive, a cápsula supostamente relacionada com o disparo efetuado pela amiga de Isabele, foi apresentada ao delegado depois, descaracterizando o local onde foi encontrada.

A arma disparada era de calibre 380, e estava carregada durante os exames. O tiro atingiu a adolescente na narina e saiu pela nuca.

Fonte: Gazeta Digital

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLICIAL

Ex-delegado é preso em Cuiabá por mandar matar mãe e filho

Edgar Fróes deixou de cumprir por completo os acórdãos previstos na concessão do regime semiaberto; ele é condenado a 35 anos de prisão por duplo homicídio

Publicados

em

O ex-delegado da Polícia Civil, Edgar Fróes, 73 anos, considerado foragido da Justiça desde 2019, foi condenado a mais de 35 anos de prisão por duplo homicídio e corrupção ativa. O mandado de prisão foi cumprido pela Gepol (Gerência Estadual de Polinter e Capturas da Polícia Civil) no apartamento dele no bairro Goiabeiras, na sexta-feira (29).

No dia 11 de maio, o juiz Geraldo Fernandes Fidelis Neto citou, na decisão, que Fróes deixou de cumprir por completo os acórdãos previstos na concessão do regime semiaberto ao abandonar o apartamento onde deveria cumprir a condenação. Ao ter o pedido de prisão domiciliar negado, foi determinado que o ex-delegado passasse a cumprir os 27 anos, 10 meses e 18 dias que faltam em regime fechado.

>>> Clique aqui e receba notícias de MT na palma da sua mão

>>> Receba notícias no Telegram e fique bem informado

 

 

O réu está envolvido no crime conhecido como “Caso Shangri-lá” e, sobre ele, caem duas condenações. A primeira de 30 anos e 8 meses de reclusão pelos homicídios da advogada Marluce Maria Alves, 53 anos, e do filho dela, o bancário Rodolfo Alves de Almeida Lopes, 24 anos. As vítimas foram mortas no bairro onde moravam no dia 18 de março de 2004. O ex-delegado teria contratado os pistoleiros que mataram as vítimas. A segunda condenação, de 4 anos e 8 meses, é pela prática de corrupção passiva.

Leia Também:  Empresário fez ligações e chamou pessoas antes de acionar Samu

 

Após a condenação, Fróes teve permissão para pernoitar em sua casa nos 90 primeiros dias de liberdade. Além disso, deveria comparecer mensalmente ao juízo para dar conta de suas atividades. Porém, isso aconteceu uma única vez, na data de 18 de dezembro de 2009. O réu só reapareceu, no dia 28 de setembro de 2011, em audiência de justificação onde alegou problemas de saúde e a impossibilidade de comparecer à Casa do Albergado, local onde outros condenados devem se recolher diariamente das 19h às 06h.

De acordo com Fidélis, Fróes foi preso em 16 de abril de 2004, permanecendo segregado até 22 de setembro de 2009, quando progrediu para o regime semiaberto, após cumprir 5 anos, 5 meses e 6 dias de pena.

 

Já sob o risco de ter o regime regredida, a defesa de Fróes reuniu uma série de pedidos e atestados médicos que foram analisados e resultaram na unificação das penas e expedição de mandado de prisão em 10 de maio de 2016 e 15 de abril de 2019.

 

O caso

A polícia descobriu por que o delegado Edgard Fróes mandou matar a advogada Marluce Maria Alves, 53, e seu filho Rodolfo Alves Lopes, 24. Os dois foram assassinados no dia 18 de março dentro da própria residência no bairro Sangri-lá. O depoimento de duas testemunhas, ocorridos na noite de ontem, foi fundamental para a polícia chegar ao desfecho do crime.

Leia Também:  STF decide que crime de injúria racial não prescreve

O primeiro a depor, o agiota Trajano Souza Filho, contou que a empresária lhe devia R$ 32 mil, resultado de vários empréstimos.

Como não estava conseguindo quitar a dívida, Trajano começou a fazer cobranças e a intimidar a advogada. O filho de Marluce resolveu então ir à delegacia do Porto, onde o delegado Edgard Fróes trabalhava, para registrar uma ocorrência.

O delegado, que era amigo da empresária, propôs um acordo entre o agiota e Marluce. “Ele (Edgard Fróes) fez da delegacia um balcão de negócios”, destaca o advogado das vítimas, José Geovaldo da Silva.

Conforme o advogado, Marluce, Fróes e Trajano fizeram um contrato por escrito estipulando os valores a serem quitados e as datas dos pagamentos.

No dia do acordo, a empresária pagou a Trajano R$ 6 mil em dinheiro, além de dois cheques no valor de R$ 5 mil cada um. Ficou estabelecido que ela pagaria o restante em prestações de R$ 5 mil. O dinheiro seria entregue ao delegado que repassaria ao agiota.

Nas datas previstas no contrato a empresária procurou o delegado Edgard Fróes e pagou mais três “prestações” de R$ 5 mil cada uma. Para comprovar que tinha recebido o dinheiro, o delegado emitiu recibos à Marluce. O delegado, porém, não repassou os R$ 15 mil ao agiota. O que se segue depois é o trágico assassinato de mãe e filho.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA