728x90 (1)

POLÍTICA MT

Pesquisa Gazeta dados aponta Emanuel em primeiro lugar na disputa pela prefeitura

Publicados

em

O prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) e o vereador Abílio Júnior (Pode) chegam empatados na pesquisa Gazeta Dados com uma pequena vantagem para o emedebista, indicando disputa voto a voto. Pinheiro alcançou 50,40% das intenções de votos válidos contra 49,60% de Abílio.

Com a margem de erro de 3% para mais ou para menos, Emanuel teria de 47,40% a 53,40%. Já Abílio ficaria entre 46,60% e 52,60%.

Para se chegar ao percentual de votos válidos, desconsideram-se os índices de brancos e nulos e os de não sabem e/ou não responderam (indecisos) na amostragem de voto estimulado, aquele em que ao entrevistado é apresentada a lista de todos os candidatos para que o eleitor indique em quem pretende votar.

Incluindo os votos brancos e nulos e quem não respondeu à pesquisa, Emanuel obteve 42,60% das intenções de voto ficando à frente de Abílio Júnior, que chegou a 41,92%. Votos brancos e nulos somam 7,67%, e quem não soube ou não quis responder reúnem 7,81%. A pesquisa foi realizada em parte na tarde de sexta-feira (27), após o debate da TV Vila Real, e o restante no sábado (28), após o debate levado ao ar pela afiliada da Rede Globo em Cuiabá.

Na modalidade espontânea, quando o entrevistado responde o nome de seu candidato sem receber uma lista prévia de nomes, os dois estão empatados com 40% das intenções de votos cada um. Nulos e brancos totalizam 9% e quem não souberam ou não quiseram responder, 11%.

Leia Também:  Fávaro vence disputa com empurrão de padrinhos e continua no Senado Federal

Resultado está nas mãos de indecisos

O Gazeta Dados aponta que os indecisos vão definir o nome de quem comandará a Capital mato-grossense pelos próximos 4 anos. Se comparada com as últimas pesquisas deste 2º turno, realizadas por outros institutos, o Gazeta Dados também identificou um crescimento de Emanuel Pinheiro desde a reta final do 1º turno. Abílio Júnior aparece estacionado, não conseguindo crescer na intenção de votos. Esses institutos também mostram Abílio Júnior e Emanuel Pinheiro tecnicamente empatados nas vésperas da eleição.

O Gazeta Dados detectou que a maioria dos eleitores de Gisela Simona (Pros) no 1º turno migraram para Emanuel Pinheiro, assim como os eleitores que votaram em Julier (PT) têm preferência pelo emedebista. Já a maioria dos eleitores de Roberto França (Patri) migraram para Abílio Júnior. O resultado oficial do 1º turno em 15 de novembro terminou com Abílio Júnior em primeiro lugar com 90.631 votos válidos (33.72%) e Emanuel 82.367 (30.65%).

Universo pesquisado

A pesquisa ouviu 800 moradores em 118 bairros de Cuiabá entre os dias 27 e 28 de novembro. Deste total, 54% dos entrevistados são do sexo feminino e 46% do masculino. 26% têm entre 45 e 60 anos e os de 35 a 44 anos são 23%. Na faixa de 25 a 34 anos atingem 22% e 14% dos entrevistados têm entre 16 e 24 anos. Entrevistados com mais de 60 anos somaram 15%.

Leia Também:  Abílio desponta em 1º lugar na disputa a prefeito de Cuiabá

Em relação ao nível de escolaridade dos moradores de Cuiabá entrevistados, 43% possuem ensino médio completo ou incompleto. E 34% estão cursando ou já completaram o ensino superior. Quem possui ensino fundamental completo ou incompleto são 19% e 4% não sabem ler e nem escrever. Cinquenta e dois por cento dos entrevistados recebem entre um a 5 salários mínimos. Quem recebe mais de 10 salários são 21%, 15% ganham de 5 a 10 salários e 12% um salário mínimo
O método utilizado é o Survey, que consiste em pesquisa de metodologia quantitativa com realização de entrevistas utilizando-se questionário estruturado junto a uma amostra representativa da população.

O intervalo de confiança é de 95%. Ou seja, se fossem realizadas 100 pesquisas, em 95 delas os resultados estariam iguais a este, dentro da margem de erro estipulada e 3 pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada na Justiça Eleitoral com o número MT-08162/2020.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

CUIABÁ

Emanuel Pinheiro consegue reverter afastamento e volta ao cargo de prefeito

A segunda medida que mantinha Emanuel Pinheiro fora do cargo foi revista pelo desembargador Luiz Ferreira da Silva

Publicados

em

Desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), Luiz Ferreira da Silva revogou a decisão que determinava o afastamento de Emanuel Pinheiro do cargo de prefeito de Cuiabá. 

Emanuel Pinheiro estava afastado desde a deflagração da Operação Capistrum, em 19 de outubro. Duas decisões o mantinham longe do comando do Palácio Alencastro. Uma delas já tinha sido revertida no dia 19 de novembro. 

O magistrado acatou um recurso de medida cautelar protocolada pela defesa de Emanuel Pinheiro no dia 18, com base na decisão do ministro Superior Tribunal de Justiça (STJ), Humberto Martins. 

O ministro suspendeu a ordem judicial de manter o prefeito afastado por 90 dias por considerar que os documentos protocolados no processo não comprovam sem dúvida que o retorno de Pinheiro ao cargo atrapalharia as investigações. 

Na decisão, o desembargador substituiu o afastamento do prefeito por outras medidas. Emanuel Pinheiro não poder manter contato com os demais acusados de participar do esquema de contratação de servidores e pagamentos de prêmio-saúde de forma irregular. 

O contato está proibido “por qualquer meio físico ou eletrônico (telefone, WhatsApp, e-mail, etc.) ou por meio de interposta pessoa, com os outros investigados, exceto com a primeira-dama [Márcia Pinheiro] por questões óbvias”. 

O afastamento 

Emanuel Pinheiro foi afastado do cargo no dia 19 de outubro na deflagração da Operação Capistrum, do Núcleo de Ações de Competência Originária (Naco). O grupo investiga a formação de uma suposta organização criminosa na Secretaria de Saúde Cuiabá. 

O Ministério Público de Mato Grosso (MPE) diz que a organização tomava decisões que confrontavam as regras de gestão público, como o excesso de contratos temporários para servidores e pagamento irregular do prêmio-saúde. 

Na denúncia feita na semana passada, o MP caracteriza essas ações como crime de improbidade de administrativa, que teriam sido praticado para favorecer Emanuel Pinheiro politica e eleitoralmente junto a aliados

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Lula tem 49% dos votos totais e venceria em 1º turno, diz pesquisa do Ipec
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA