728x90 (1)

POLÍTICA MT

“Quem não tem dinheiro que faça campanha no talento”, critica Jayme

Publicados

em

Mayke Toscano/Secon-MT

O senador Jayme Campos (DEM) criticou o fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso Nacional na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para as eleições de 2022. Em entrevista nesta quarta-feira (21), Jayme defendeu que as campanhas devem ser feitas com recursos dos próprios candidatos e não financiadas com dinheiro público. Para o democrata, quem não tem dinheiro deve fazer a campanha “no talento”.

“Quer ser candidato então banque a sua própria campanha, vai gastar a sola do sapato. Porque a sociedade vai bancar a campanha de quem quer ser deputado federal, estadual, prefeito, vereador, governador por exemplo? Banque com o seu”, declarou o senador que acredita que o presidente da República Jair Bolsonaro irá vetar a medida.

O valor do Fundo eleitoral triplicou desde as eleições de 2018, passando de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões, um aumento de mais de 185%, bem maior que a inflação do período. A proposta foi aprovada na última quarta-feira (15).

De acordo com Jayme essa proposta é inviável principalmente durante uma pandemia.

Leia Também:  Instagram oferece dinheiro para influenciadores saírem do TikTok, diz jornal

“É inconcebível que em plena pandemia aprovar R$ 6 bilhões para o Fundo Partidário. Vamos trabalhar, né amigo. Quem tem dinheiro faz. Quem não tem, faz no talento. Eu faço no talento. Então não vai para uma luta e faz campanha só quando tiver dinheiro”, ressaltou.

“É inadmissível um país que tem 19 milhões de desempregados e a pandemia demostrou essa fragilidade. Esse recurso poderia ser para comprar mais vacinas, melhorar nossos hospitais, nossa rede pública de ensino, buscar política social para dar pelo menos um sacolão, botar uma oportunidade a alguns milhões que estão a margem, devemos resgatar a cidadania”, concluiu.

Ainda para justificar sua opinião, o senador comentou sobre o caso de pessoas flagradas em filas de açougues, em Cuiabá, atrás de “ossinhos ” para se alimentar. A situação teve destaque na imprensa nacional.

” Agora mesmo vi uma matéria que o Brasil até o mês de julho teve um superávit da sua balança comercial de 37 bilhões de dólares, de exportação de commodites, é carne, é soja, é algodão e assim por diante. O que adianta termos isso e ver pessoas na fila pegando pedacinho de osso, de resto de açougue. Aqui [Mato Grosso] é um estado rico, que contribui hoje com a balança comercial com a grande produção agrícola, onde está essa riqueza?”, questionou.

Leia Também:  Jorge Oliveira é nomeado para o Tribunal de Contas da União | Agência Brasil

Pelas redes sociais, Bolsonaro já adiantou que vetará a proposta.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

POLÍTICA MT

Bolsonaro em Cuiabá: Presidente deve visitar Paiaguás e participar de “motociata”

Publicados

em

O governador Mauro Mendes e o presidente Jair Bolsonaro, em uma de suas vindas a MT

O presidente Jair Bolsonaro deve oficializar nos próximos dias sua vinda a Cuiabá.

A informação é do ex-senador Cidinho Santos (PSL). Bolsonaro deve participar de uma série de eventos com o governador Mauro Mendes (DEM), entre elas uma motociata – espécie de passeio de motocicleta com apoiadores.

Segundo Cidinho, a data ainda não está oficializada, mas deve ocorrer entre os dias 19 a 21 deste mês.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Bolsonaro sobrevoa cheias no Acre e anuncia medidas de socorro
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA