SAÚDE

Cirurgia bariátrica é procedimento pouco acessível, diz associação

Publicados

em


No ano passado, foram feitas no Brasil 68.530 cirurgias bariátricas, 7% a mais do que no ano anterior, que registrou 63.969 procedimentos desse tipo. Os dados foram divulgados hoje (27) pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), que destacou a importância de ampliar o acesso a tais operações pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e à cirurgia metabólica pelos planos de saúde.

Na saúde pública, houve 12.568 cirurgias bariátricas em 2019 – um crescimento de 10,2%, se comparado a 2018. Na saúde suplementar, por meio de planos de saúde, foram realizadas 52.699 cirurgias bariátricas, com aumento de 6,4% em relação a 2018. Já entre as cirurgias particulares, pagas integralmente pelos pacientes, foram feitos 3.263 procedimentos no país.

Até agora, os dados de 2020 foram divulgados apenas pela saúde pública. Entre janeiro e junho deste ano, foram realizadas 2.859 cirurgias. Em 2019, no mesmo período, já tinham sido feitas 5.382 operações desse tipo pelo SUS. Segundo a SBCBM, a queda se deve à suspensão das cirurgias eletivas com o início da pandemia de covid-19.

Leia Também:  MP pede mais 14 dias de quarentena caso risco de contaminação ainda esteja alto em Cuiabá e VG

O total de cirurgias feitas em 2019 atendeu a 0,5% da população de portadores de obesidade grave, que atinge cerca de 13,6 milhões de pessoas no país, informou a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica. “O único tratamento comprovadamente eficaz a longo prazo para a obesidade e doenças associadas a ela como, por exemplo, o diabetes e a hipertensão, é praticamente inacessível para pessoas que dependem do sistema público e dos planos de saúde”, avaliou o presidente da Sociedade, Marcos Leão Vilas Boas.

Segundo a entidade, os estados do Amazonas, de Roraima, do Amapá, de Rondônia e do Piauí não contam com serviços de cirurgia bariátrica habilitados no SUS. Atualmente, o SUS oferece 85 serviços de assistência de alta complexidade à atenção ao indivíduo com obesidade em 22 das 27 unidades federativas.

Cirurgia metabólica

A entidade defende a inclusão da cirurgia metabólica – indicada para portadores de diabetes que não conseguem o controle da doença com medicamentos – no rol de procedimentos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O procedimento, que já foi regulamentado pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), atualmente está em consulta pública na ANS para obter a cobertura pelos planos de saúde.

Leia Também:  Covid-19: prioridade será de vacina em fase mais avançada, diz governo

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica informou que, nos últimos anos, conduziu estudos de custo e efetividade e também estudos clínicos randomizados que comprovam a remissão do diabetes em pacientes que passam pela cirurgia metabólica. A entidade propõe que, a cirurgia, hoje oferecida aos pacientes com obesidade, seja coberta também para pacientes com diabetes tipo 2.

“Nós temos a cirurgia para o diabetes plenamente regulamentada por uma série de resoluções, mas essa tecnologia não está plenamente acessível no SUS e aos usuários dos planos de saúde. A cirurgia demonstra, tanto no Brasil quanto fora, que é extremamente custo-eficaz. O impacto orçamentário é adequado e capaz de ser absorvido pelo sistema de saúde. O setor seria impacto por apenas dez centavos por mês e por usuário”, afirmou Vilas Boas.

Edição: Nádia Franco

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

SAÚDE

De bem com a vida! Nutricionista dá dicas de alimentos para melhorar o humor

Levantamento aponta aumento de 80% dos casos de estresse e ansiedade em todo o País

Publicados

em

A pandemia vem mudando significativamente a rotina dos brasileiros, principalmente nos cuidados com a saúde física e psicológica. Levantamento do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) aponta aumento de 80% dos casos de estresse e ansiedade em todo o País. Entre os fatores de risco estão ausência de acompanhamento psicológico, sedentarismo e alimentação desregrada.

Para amenizar os sintomas de inquietação e nervosismo, a nutricionista do Fort Atacadista, Letícia Tizziani, recomenda alimentos que ajudam a melhorar o humor. Para começar o dia com alto-astral, no café da manhã ela sugere chocolate amargo. O alimento é rico em triptofano – responsável pela produção de serotonina – e provoca sensações de bem-estar e relaxamento. A orientação é que seja consumido no máximo uma fração da barra por dia.

As nozes também são excelentes opções, principalmente para quem deseja substituir o chocolate. O ácido fólico, presente na oleaginosa, é fundamental para desenvolver as funções cerebrais, melhorando a capacidade cognitiva e a saúde emocional. A nutricionista recomenda o consumo de três nozes pela manhã. “Ingerir esse alimento com frequência aumenta expressivamente a serotonina em curto prazo. Em cerca de três meses é possível avaliar os resultados”, destaca.

Leia Também:  Astrazeneca diz que não tem vacinas disponíveis ao mercado privado | Agência Brasil

Na metade da manhã, Letícia indica o consumo de aveia. O cereal é rico em vitaminas B e E. Além auxiliar no combate da ansiedade e da depressão, melhora o funcionamento do intestino. “Ela pode ser acrescentada no iogurte ou acompanhada por uma fruta de sua preferência. O ideal é ingerir três colheres de sopa por dia”.

No almoço não pode faltar arroz integral ou banana. Os grãos facilitam a chegada de triprofano ao cérebro, promovendo mais alegria e noites tranquilas de sono. Já a fruta deve ser incrementada crua nas refeições, pois uma das dicas para aproveitar todos os seus benefícios é, principalmente, não fritá-la. “A banana é fonte de vitamina B6, que produz energia, aumenta a criatividade e ajuda a relaxar o corpo”, explica a nutricionista.

Outra sugestão é o consumo de peixe pelo menos duas vezes por semana. Esse alimento é rico em ômega 3, que ativa os receptores dos neurotransmissores e estimulam o bom humor. Também possui magnésio, que tem funções antiestressantes. “Outros alimentos que são fontes de ácidos graxos e excelentes para vegetarianos e veganos são: abacate, linhaça, folhas verdes escuras e leguminosas como soja, grão-de-bico, ervilha e feijão. Todos possuem benefícios semelhantes as do peixe”, aponta.

Leia Também:  Covid-19: mortes superam 231 mil e número de casos vai a 9,49 milhões | Agência Brasil

No período da noite, Letícia orienta evitar o consumo de café. A cafeína aumenta a energia do corpo e deixa o organismo mais ativo, combatendo o sono e o cansaço. “Dormir bem é indispensável para acordarmos de bom humor. É preciso descansar. Prefira chá de verbena ou erva-cidreira. As plantas medicinais são excelentes calmantes.  Elas diminuem fadiga, estresse e nos deixam mais felizes. Uma dica para todos os dias: controle a ingestão de açúcares, pois causam sentimentos rápidos de alegria muitas vezes seguidos de culpa”, alerta.

Além de uma boa alimentação, a prática de exercícios físicos é fundamental para garantir o bom humor. Letícia destaca que o nervosismo e a ansiedade também podem ser consequências do sedentarismo. “Os treinos são essenciais, pois estimulam a liberação de endorfina. Essa substância, além de ter efeito calmante, alivia a dor e promove bem-estar. Exercite-se! Prefira locais verdes e abertos. Lembre-se, é possível cuidar da saúde física e emocional e manter os devidos cuidados na pandemia”, conclui.

Onde encontrar

Nos atacarejos, as frutas da estação e outras variedades de alimentos são encontradas com preços mais competitivos e com facilidade no pagamento.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA