TECNOLOGIA

Ex-funcionária do Facebook acusa rede social de permitir manipulação política

Publicados

em


source

Olhar Digital

Facebook
Unsplash/Brett Jordan

Facebook é acusado de não impedir disseminação de fake news

Durante as últimas eleições presidenciais dos Estados Unidos e do Brasil, as redes sociais tiveram um grande impacto no andamento da disputa. Estas, porém, não foram as únicas vezes que elas foram usadas para a disseminação de desinformação, segundo Sophie Zhang, ex-cientista de dados do Facebook . Após ser demitida, ela divulgou um memorando mostrando diversas campanhas de fake news na plataforma, e a incapacidade de combatê-las.

No documento, Zhang listou diversos exemplos concretos de governos espalhados pelo mundo que usaram a rede social para “enganar seus próprios cidadãos”. Na maioria dos casos, contas falsas são usadas para influenciar a opinião pública e desacreditar a oposição.

Entre as diversas medidas da rede socia l para impedir isso, mais de 10 milhões de reações falsas e fãs de páginas políticas importantes no Brasil e nos Estados Unidos foram removidas durante as últimas eleições.

Leia Também:  Assembleia Social e Mães Pela Diversidade promovem campanha em alusão ao Dia da Visibilidade Lésbica

Algumas campanhas, porém, demoram um certo tempo para serem combatidas. Um exemplo aconteceu em Honduras, quando o Facebook demorou nove meses para agir em relação a uma ação coordenada do presidente Juan Orlando Hernandez para melhorar sua imagem com a população por meio de contas falsas. Depois de fechada esta operação, outras contas foram criadas e permanecem ativas.

Já no Azerbaijão, a rede social levou um ano para começar a pesquisar sobre o uso de perfis falsos para “assediar a oposição”. Na Índia, a própria Zhang trabalhou para derrubar uma “rede politicamente sofisticada de mais de mil atores trabalhando para influenciar as eleições”.

Nem mesmo a pandemia de Covid-19 escapou das campanhas maliciosas. Nos últimos meses, 672 mil contas falsas que manipulavam informações relacionadas à Covid-19 na Espanha e nos Estados Unidos foram removidas.

Poderia ter feito mais 

Apesar de toda essa ação, Zhang afirmou que se sente com “sangue nas mãos” por ter decidido não agir, assim que descobriu atividades inautênticas em apoio a um candidato presidencial de oposição na Bolívia. Após a renúncia de Evo Morales, o país se viu no meio de diversos protestos que causaram dezenas de mortes.

Leia Também:  "O social é minha missão e meu compromisso com Mato Grosso", afirma primeira-dama

“Embora eu tenha tomado a melhor decisão que pude com base no conhecimento disponível na época, no final fui eu que decidi não forçar ou priorizar mais em cada caso, e eu sei que tenho sangue nas mãos agora”, afirmou.

Por fim, a ex-funcionária afirmou que não acredita que as pessoas que administram a rede social sejam mal-intencionadas. Porém, algumas decisões precisam ser tomadas. Todo esforço no caso afetou a saúde da ex-cientista de dados do Facebook . Quando teve um pedido de apoio negado por “limitação de recursos humanos”, foi ameaçada de demissão por se concentrar no trabalho civil.

Em resposta ao memorando, o Facebook afirmou que trabalha para “impedir que malfeitores abusem dos sistemas”. Por fim, destacou que cada questão é investigada cuidadosamente antes da ação ou de reivindicações públicas como uma empresa.

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

TECNOLOGIA

Cientistas desenvolvem o menor chip do mundo que pode ser injetado no corpo com agulha

O novo dispositivo é tão minúsculo que é comparado a um grão de sal e, no futuro, poderá ser usado para monitorar processos corporais por meio de ultrassom

Publicados

em

Engenheiros da Universidade de Columbia (EUA) desenvolveram o menor chip sem fio do mundo com finalidades médicas, um dispositivo do tamanho de um minúsculo grão de sal, que poderia no futuro ser introduzido no corpo humano com uma agulha hipodérmica para monitorar condições clínicas.

“Queríamos ver até onde poderíamos empurrar os limites para construir o menor chip funcional possível. É uma ideia nova de chip como sistema: um chip que, por si só, é um sistema eletrônico em pleno funcionamento”, disse o líder do estudo, Ken Shepard.

O novo chip ocupa um volume total inferior a 0,1 mm³. Como mostra a imagem abaixo, seu volume é tão pequeno que pode ser injetado facilmente com uma agulha. A equipe usou ultrassom para carregar dados e se comunicar com o dispositivo sem usar fios.

Os pesquisadores fizeram uma “antena” que é instalada diretamente no topo do chip, onde são capazes de carregar dados e até se comunicarem com ele. Tanto o carregamento quanto a comunicação ocorrem por meio de ultrassom.

Leia Também:  Apple confirma que iPhone 12 vai atrasar

“Isso é revolucionário para o desenvolvimento de dispositivos médicos implantáveis sem fio miniaturizado que podem detectar coisas diferentes, ser usados em aplicações clínicas e, em última análise, ser aprovados para uso humano”, afirmou o pesquisador Shepard.

O objetivo dos pesquisadores é desenvolver chips que possam ser injetados no corpo com uma agulha hipodérmica (que consegue alcançar os músculos) e, uma vez dentro do corpo, se comuniquem com o exterior por meio de ultrassom, fornecendo os dados que coleta localmente.

Os dispositivos atuais que foram criados medem a temperatura corporal, mas existem muitas outras possibilidades nas quais a equipe está trabalhando. O estudo foi publicado na revista Science Advances.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

política mt

mato grosso

policial

ENTRETENIMENTO

MAIS LIDAS DA SEMANA